sábado, 3 de julho de 2010

Faltam docentes de Educação Especial

A Fenprof apresentou este ano um inquérito onde 60 por cento dos agrupamentos de escolas dizem que o número de professores de que dispõem para apoiar alunos com necessidades educativas especiais é insuficiente. O trabalho foi conduzido junto de 424 direcções distribuídas por todo o país, e só nestes locais seriam necessários mais 312 docentes, além de outros técnicos. Contudo, o Ministério da Educação garantiu que no presente ano lectivo há nos agrupamentos 4779 docentes do grupo de Educação Especial, além de 1289 técnicos, como terapeutas, psicólogos formadores e intérpretes de língua gestual.
Comentário:
Continua a luta dos números e esquecem-se os alunos e as diferentes realidades que se vivem nos agrupamentos. Penso que o Ministério da Educação deveria realizar um efectivo levantamento de dados, verificar as situações individualmente e responder adeqiadamente às necessidades dos alunos de cada agrupamento.
Não basta dizer que foram disponibilizados técnicos se, de facto, não criarem condições para esses mesmos técnicos prestarem um efectivo apoio. Só a título de exemplo, qual é o interesse de ter um técnico especializado na sede de agrupamento mas que não apoio os alunos necessitados porque estão numa escola do 1º Ciclo, distanciada, e o Ministério da Educação não garante a verba para as deslocações?!
Infelizmente, os alunos continuam a ser vistos como um "número" indefinido, incaracterístico, uniforme.

2 comentários:

Anónimo disse...

No meu Agrupamento estão a pagar deslocações aos docentes de Educação Especial que se desloquem para lá de 5km da sua escola (apesar de muito pouco, uma vez que é o preço por km em transporte público)

JAS disse...

Olá "anónimo". Não me referia aos docentes de educação especial, mas aos técnicos do Centros de Recursos para a Inclusão. No âmbitode um protocolo celebrado com a DREC, os técnicos desocam-se à sede do agrupamento mas, incompreensivelmente, as deslocações para as escolas que distem do sede de agrupamento não estão contempladas, inviabilizando, por vezes, a prestação de apoio aos alunos necessitados.