quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Escola inclusiva: tumor a extirpar?


Na crónica do Público, Santana Castilho, a propósito da abertura das comemorações do centenário da República, faz uma análise da situação actual da educação, referindo-se à escola inclusiva, tal como tem vindo a ser implementada, como um tumor a extirpar. Segundo ele, “Os jovens não podem continuar a ser sequestrados nas salas de aula de manhã à noite. A escola não pode tratar de tudo. É preciso fazer escolhas, definir prioridades para cada ciclo de estudos e ser exigente em todos. A “escola inclusiva” e a “escola a tempo inteiro”, tal como têm vindo a ser postas em prática, a “área de projecto”, o “estudo acompanhado” e outras epígrafes pedagógicas diletantes são, também, bons exemplos de tumores a extirpar."
Nesta crónica, para além da opinião crítica, o autor limita-se a referir aquilo que considera uma constatação sem, no entanto, apresentar propostas de actuação para a melhoria do sistema educativo. No referente à escola inclusiva, surgem-me logo algumas questões basilares: que fazer com os alunos diagnosticados com necessidades educativas especiais? Remetê-los para instituições de ensino especial? Inverter o processo de inclusão escolar e social?
Creio que, por princípio, a filosofia da escola inclusiva é globalmente a melhor solução para os alunos com necessidades educativas especiais. No entanto, reconheço que, para uma minoria de alunos, concretamente aqueles que apresentam deficiências severas, a escola inclusiva nem sempre é a melhor solução. Como se costuma referir, cada caso é um caso!
A experiência profissional leva-me a afirmar que, na generalidade, a escola inclusiva, numa perspectiva epistemológica, ainda não está a ser totalmente aplicada. Os constrangimentos são de vária ordem, passando: pela falta de docentes suficientes para atender todos os alunos; pela exclusão de vários alunos com dificuldades específicas de aprendizagem aquando dos processos de monitorização; pela subjectividade com que a legislação da educação especial está a ser aplicada nos diversos agrupamentos e escolas não agrupadas; pela falta de formação dos assistentes operacionais que lidam mais directamente com os alunos com necessidades educativas especiais; pela ausência de técnicos auxiliares, como terapeutas de fala e ocupacionais, psicólogos e fisioterapeutas; pela falta de material específico nas salas de aula; pela ausência de uma rede social e profissional, sobretudo no interior periférico, que apoie os alunos aquando da saída do sistema educativo; etc. No entanto, não podemos esquecer que escola inclusiva é um processo em construção!

4 comentários:

Atena disse...

Concordo totalmente consigo e não sabería explicar-me melhor! È isso mesmo que também penso: falta muita coisa, mas o caminho iniciou-se e é este, temos de continuar a lutar para ir subindo degraus, mas em conjunto - sózinhos não chega. Cada caso é um caso, mas acredito que com o tempo e a implementação do processo inclusivo mais maturado, as respostas virão a ser mais adequadas para todos.
Acho uma certa graça a estes Senhores Doutores que comentam e opinam sobre todas as coisas, sendo que de algumas delas, não devem ter a mais pequena ideia! Não sei quem é este Sr. Dr. Santana Castilho e até respeito muito opiniões diferentes e ainda para mais de estudiosos reputados com lugar nos media, mas com franqueza julgo que só pode estar a pronúnciar-se sobre algo que desconhece, ou não conhece na prática. Depois é um bocado como diz, prof. joão - ficaría bem que após darem a sua crítica, deixassem também um plano de ideias que pudessem substituir de forma benéfica para todos, aquelas que tão sábiamente criticam. Isto no que à Educação especial concerne.
No que diz respeito à escola a tempo inteiro, e etç., convém antes de opinar, perceber em que contexto social muitos pais se vêm obrigados a deixar os filhos na escola a tempo inteiro... é que não vivemos na França, nem Alemanha; os subsideos não chegam para ficar em casa a tratar dos filhos, à maioria dos pais. Reconheço que a alguns mais abastados, tal é possivel, e por acaso são esses que muitas vezes até dispensam estes afazeres a empregados que deles tomam conta, agora não é essa a realidade do nosso país, nem me parece possivel mudar em breve a legislação laboral em função da natalidade ser tão baixa.
Desculpe o comentário longo, mas deparo-me tantas vezes com opiniões como a que aqui postou - normalmente de pessoas que nem filhos têm, ou cuja condição económica os impede de terem uma visão mais alargada - que me aborrece sobremaneira... sobretudo porque até são pessoas "conceituadas" na nossa sociedade ... (Provavelmente é por isso que a nossa sociedade teima em evoluir devagar, muitos dos nossos conceituados estão algo longe de algumas realidades).
Grande abraço,
Cristina

JAS disse...

Concordo com o seu comentário, sempre oportuno e com conhecimento de causa!
Abraço
João

JAS disse...

Há a referir que o post não visa o conteúdo geral do artigo de opinião mencionado! Apenas seleccionei a parte que se refere à escola inclusiva!
João

Dana Flores disse...

Estou no blog Sites há algum tempo e hoje senti que deveria compartilhar minha história porque também era vítima. Eu tinha HIV por 6 anos e nunca pensei que fosse obter uma cura que eu tinha, e isso tornou impossível para mim me casar com o homem com quem eu deveria me casar, mesmo depois de 2 anos de relacionamento, ele terminou comigo quando ele descobre que eu era HIV positivo. Então, eu conheci o Dr. Itua no Blog Site que tratou alguém e a pessoa compartilhou uma história de como ela foi curada e deixou seus dados de contato. Entrei em contato com o Dr. Itua e ele realmente confirmou e decidi tentar. também e usar seu remédio herbal que foi assim que meu fardo terminou completamente. Meu filho completará 2 anos em breve e sou grato a Deus e também grato a seu remédio. Dr. Itua também pode curar a doença a seguir ... Doença de Alzheimer, doença de Bechet, doença de Crohn, doença de Parkinson, esquizofrenia, câncer de pulmão, câncer de mama, colo -Câncer retal, câncer de sangue, câncer de próstata, siva. Mutação fatal de Leiden do fator V da insônia familiar, epilepsia Doença de Dupuytren, tumor desmoplásico de pequenas células redondas Diabetes, doença celíaca, doença de Creutzfeldt-Jakob, angiopatia amilóide cerebral, ataxia, artrite Escoliose lateral, fibromialgia, toxicidade de fluoroquinolona
Síndrome Fibrodisplasia Ossificante ProgresEsclerose, Convulsões, Doença de Alzheimer, Carcinoma adrenocortical.Astma, Doenças alérgicas.Hiv_ Aids, Herpes, DPOC, Glaucoma.
Demência. Lúpus.
, Doença de Cushing, Insuficiência cardíaca, Esclerose múltipla, Hipertensão, Câncer colo-retal, Doença de Lyme, Câncer de sangue, Câncer cerebral, Câncer de mama, Câncer de pulmão, Câncer renal, HIV, Herpes, Hepatite B, Inflamatório hepático, Diabetes, Fibróide, Tire seu Ex De volta, se você tiver (A basta entrar em contato com ele pelo e-mail drituaherbalcenter@gmail.com ou WhatsApp. + 2348149277967) Ele também pode aconselhá-lo sobre como lidar com alguns problemas conjugais. Ele é um bom homem.